Análise da água na produção de tilápia pode ser feita através do biomonitoramento

Compartilhe

Amostradores com substrato artificial foram bem sucedidos na colonização de macroinvertebrados bentônicos em viveiros de tilápias, sendo uma alternativa simples e de baixo custo para monitorar a qualidade da água, onde diferenças na qualidade da água e na fauna bentônica podem estar relacionadas às práticas de manejo, como a presença de grama nos bancos dos viveiros e a presença de mata ciliar próxima a estes, mostrou estudo conduzido por pesquisadores da Embrapa, em 4 fazendas produtoras em Conchal, Mogi Mirim e Itapira, na região da Baixa Mogiana, SP. 

<\/div>

Como os viveiros não possuem substratos semelhantes aos corpos d’água naturais, o uso de substrato artificial auxilia na padronização da área de amostragem e tempo inicial de colonização, redução da variabilidade, tempo de processamento, custos operacionais e maior precisão dos dados, além de serem fáceis de fazer e manusear. Feitos com materiais de baixo custo, são menos dependentes das condições de cada tanque ou piscicultor, permitindo a comparação entre eles.

Conforme a pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Mariana Silveira Moura e Silva, o biomonitoramento é baseado na medição e interpretação da integridade biótica de ambientes naturais por meio de mudanças na abundância, diversidade e composição de grupos de organismos indicadores que dependem de condições específicas para sua sobrevivência.

De acordo com a FAO, em 2019 os peixes de água doce cultivados atingiram 758 mil toneladas e a tilápia foi a principal espécie cultivada, com 57%. O Brasil foi o quarto maior produtor do mundo, com expectativa de crescimento de mais de 32% até 2030, onde os viveiros são o sistema de criação mais popular, representando uma área de 194 mil hectares. “Esse crescimento precisa estar associado à sustentabilidade e o monitoramento da qualidade da água é essencial”, ressalta a pesquisadora.

Facilidades e benefícios

Os invertebrados aquáticos têm sido amplamente utilizados para avaliar as condições ambientais devido à sua abundância, facilidade de coleta com equipamentos de baixo custo, baixa mobilidade e preferência por habitats e condições ambientais específicos. A partir da fauna amostrada, é possível calcular o número de indivíduos, porcentagem de organismos tolerantes e sensíveis, diversidade da comunidade e equidade.

“Assim, explica Mariana, é possível integrar impactos de mais longo prazo, em comparação com as análises físico-químicas. Porém, ainda não existem protocolos ou índices baseados em organismos bentônicos desenvolvidos para viveiros no Brasil”.

A área foi escolhida devido à alta concentração de produtores de tilápia do Nilo e as pisciculturas selecionadas com base em práticas semelhantes – densidade de estocagem, conteúdo nutricional das dietas e manejo alimentar e foram monitoradas de fevereiro a maio de 2016. Apesar dos piscicultores utilizarem as mesmas práticas de manejo e alimentação (32% de proteína bruta das dietas), foram observadas diferenças significativas para todos os parâmetros físicos e químicos de qualidade de água.

“No entanto, como a qualidade da água foi boa para o desenvolvimento da tilápia, atendendo aos limites preconizados para a criação dos peixes, acreditamos que ainda não seja possível associar um bioindicador a uma condição específica de qualidade da água, principalmente para oxigênio dissolvido, que é um parâmetro chave para a sobrevivência dos peixes”. É preciso ampliar o número de pisciculturas estudadas, incluindo propriedades com extremos de qualidade de água, para que se possa propor um índice biótico para viveiros escavados”, diz a pesquisadora.

Todos os dados coletados no neste estudo estão disponibilizados no site BioAqua-viveiros escavados.O sistema também é apresentado e descrito em uma publicação, com dados, fotos e desenhos dos organismos bentônicos, facilitando o reconhecimento dos grupos bioindicadores.

O estudo é de Mariana Guerra Moura e Silva, Marcos Losekann, Alfredo Luiz, Josilaine Kobayashi e Hamilton Hisano, da Embrapa Meio Ambiente e está disponível aqui.

Fonte: Embrapa