Bezerros: Crescimento e saúde podem ser melhorados dando colostro na fase de transição

Compartilhe

Garantir que todos os bezerros recebam colostro, de preferência nas primeiras 4 horas após o nascimento, tornou-se um padrão bem aceito na indústria de laticínios. Alguns laticínios também distribuem rotineiramente uma segunda dose algumas horas após a primeira.

Mas essa alimentação do primeiro dia é suficiente? Evidências crescentes sugerem que uma miríade de benefícios pode ser alcançada seguindo o projeto da Mãe Natureza e dando colostro ou leite de transição por vários dias antes de trocar apenas por leite ou substituto do leite.

Estudos recentes sobre a prática incluem:

Colostro estendido

Um estudo colaborativo entre pesquisadores iranianos e alemães que recentemente foi publicado no Journal of Dairy Science dividiu 144 bezerros em três grupos após sua alimentação inicial com colostro.

Durante as primeiras duas semanas de vida, o Grupo 1 recebeu 5 kg por dia de leite integral pasteurizado. O segundo grupo recebeu volume equivalente de leite, mas 350 gramas da ração líquida diária eram constituídas de colostro pasteurizado. O terceiro grupo recebeu 700 gramas diárias de colostro como parte da ração total de 5 kg.

Os pesquisadores descobriram que o grupo que recebeu mais colostro (700 g) teve peso significativamente maior ao desmame aos 61 dias, peso corporal final (aos 81 dias), alteração da circunferência do coração, eficiência alimentar e ganho médio diário (GMD). O grupo alimentado apenas com leite teve uma chance maior de ter febre do que qualquer um dos grupos com colostro; pontuou mais baixo na aparência geral do que os outros dois grupos; mostrou uma maior incidência de diarreia em comparação com o grupo de colostro alto; e teve uma maior incidência de pneumonia do que qualquer grupo de colostro.

Leite de transição

Pesquisadores da Michigan State University (MSU) publicaram outro estudo recente no Journal of Dairy Science, no qual avaliaram os méritos do leite de transição na alimentação, que foi definido como a segunda a quarta ordenhas após o parto.

Por: ROSSO, Gisele. Fonte: Embrapa

Para nove mamadas após a alimentação inicial com colostro, 105 bezerros foram divididos em três grupos (35 bezerros cada): (a) substituto do leite; (b) leite de transição; ou (c) uma mistura 50:50 de sucedâneo do leite e sucedâneo do colostro comercial. Todas as mamadas foram entregues três vezes ao dia durante três dias.

Eles descobriram que bezerros que receberam leite de transição ou a mistura 50:50 pesavam cerca de 2,7 quilos a mais no desmame aos 56 dias, e mostraram melhorias nas pontuações de saúde observacionais e marcadores de saúde do sangue em comparação com bezerros que foram alimentados apenas com substituto do leite.

A pesquisadora da MSU, Dra. Miriam Weber Nielsen, que liderou a equipe do estudo, discutiu algumas pesquisas de acompanhamento mais aprofundadas em um boletim da MSU Dairy Extension. “Descobrimos que o leite de transição estimula o desenvolvimento do trato digestivo, aumentando a área de superfície do intestino delgado e a absorção potencial de nutrientes”, explicou ela. “Os bezerros que não recebem leite de transição podem estar perdendo a oportunidade de aumentar o desenvolvimento intestinal e melhorar a saúde.”

Nielsen disse que o crescimento melhorado e o desenvolvimento do trato digestivo podem preparar os animais para uma melhor saúde e produtividade para o resto da vida. Ela notou a grande quantidade de evidências documentadas de que melhorar o crescimento e a saúde no início da vida se correlaciona com o aumento da primeira lactação e produção de leite ao longo da vida.

Ela reconheceu que coletar e alimentar o leite de transição pode ser um desafio logístico em muitas fazendas leiteiras. Por outro lado, imitar o leite de transição com a suplementação com substituto de colostro comercial é altamente desejável do ponto de vista de gerenciamento e eficiência, mas o custo de fazer isso pode ser difícil de justificar.

Ainda assim, Nielsen estava otimista de que as fazendas leiteiras encontrarão formas inovadoras de alcançar a prática de alimentação conforme os benefícios para o desenvolvimento das novilhas forem confirmados. “Em fazendas onde o leite de transição para alimentação ou suplementação com substituto de colostro é viável, a saúde melhorada e o crescimento mais rápido dos bezerros podem ser alcançados”, afirmou ela.

* Baseado no artigo Feeding Colostrum Through Transition Phase Improves Calf Growth, Health, de Maureen Hanson.

Original de EDUCAPOINT