Boi gordo: Fluxo de negócios segue baixo, confira os atuais preços dos bovinos

Compartilhe

Os negócios seguem lentos no mercado do boi gordo. Por conta disso, pecuaristas estão mais retraídos quanto às suas negociações devido à intensa queda registrada nas últimas semanas e aos preços que não estão sendo aceitos, principalmente quanto ao mercado paulista, onde o preço do boi gordo chega a R$ 245. 

<\/div>

Para o analista de Safras & Mercado, Allan Maia, a previsão de pouca movimentação dos negócios deve continuar devido à proximidade do final de ano e, devido à seca registrada no país, a entrada no mercado do boi de pasto também deve atrasar no início de 2021. 

Mas, segundo ele, a expectativa é de que haja uma tendência de melhora nas negociações a partir de janeiro e o boi gordo deve seguir valorizado no próximo ano, devido à necessidade de compra da China, considerada a principal compradora da carne bovina brasileira. Por sua vez, representantes de frigoríficos sinalizam uma posição confortável em suas escalas de abate, que estão posicionadas entre seis e sete dias úteis. 

Preços

A indicação de comprador para animais também preocupa. Diferente dos últimos meses, tal número está aquém do esperado. Para os animais destinados ao mercado chinês, por exemplo, a indicação está em torno de R$ 253 à vista e de até R$ 257 para pagamento à prazo. 

Porém, representantes que atuam no setor destacam que esses negócios podem chegar à R$ 260. Para o mercado doméstico, a indicação de comprador ficou a partir de R$ 245 à vista e R$ 250 a prazo. Veja outras indicações de compradores e seus respectivos valores em diferentes localidades: 

Preços do boi gordo subiu 48,9% em um ano em SC Fonte: Epagri

Minas Gerais: a indicação de comprador foram mais baixas,chegando à R$252 à vista; 

Goiânia: a indicação de comprador ficou em R$ 245 à vista e a R$ 247 a prazo;

Mato Grosso do Sul: houve pouca alteração e os preços indicados foram de R$ 244 a prazo. 

Carne bovina

Os preços da carne bovina no mercado atacadista tiveram quedas recentes e não há previsão para altas devido à baixa reposição. Podemos ressaltar o corte traseiro que giram em torno de R$ 18,90 o quilo, além disso, o corte dianteiro possui preço médio de R$ 14,60 o quilo e a ponta de agulha não sofreu grandes alterações na comparação aos últimos dias, ficando em R$ 14,60 o quilo.

Mas a situação é considerada atípica para essa época do ano, quando costumeiramente era registrado aumento significativo do consumo da carne bovina em todo o país. “O consumidor está optando por carnes com preços mais acessíveis, como o frango, por exemplo, Além disso, é importante ressaltar que o ritmo de embarques sofreu uma desaceleração durante o mês e acabou impactando diretamente a disponibilidade doméstica”, afirmou o analista. 

Por Samara Arruda