Clima e alta procura pelo milho verde por causa das festas juninas fazem produto ficar escasso em GO

Compartilhe

Pamonha, chica doida, curau, milho cozido! Essas delícias são comumente feitas em maiores escalas agora nas festas juninas. Acontece que o principal ingrediente está mais caro, com pouca qualidade e difícil de encontrar. Em algumas cidades a mão de milho (cerca de 52 espigas) que em maio custava cerca de R$ 50 reais, tem sido encontrada a mais de R$ 70 reais. O coordenador institucional do Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag), explica o motivo da mudança de mercado.

<\/div>

“A produção de milho em Goiás é muito restrita à segunda safra, ou seja, o plantio do milho após a colheita da soja. Nesse ano tivemos uma grande dificuldade climática, o mesmo que aconteceu no ano passado. A expectativa nossa, em Goiás, era colher mais de 10 milhões de toneladas de milho. Devido à questão climática dos meses de abril e junho, tivemos uma redução expressiva na nossa produtividade e vamos colher no Estado, em torno de 8 milhões de toneladas. Então isso proporciona ao mercado uma oferta mais restrita e isso não se restringe ao milho seco, atinge o milho verde, indicado para a pamonha”, explica.

Ainda de acordo com Leonardo Machado, a situação deve se regularizar com a chegada do milho irrigado previsto para entrar no mercado nas próximas semanas e com a redução das festas típicas. Apesar da boa procura em julho, por causa das festas julhinas, ela é  em menor escala. 

Fonte: Comunicação Sistema Faeg/Senar/Ifag