CNA discute impactos da Reforma Tributária nas cadeias Agroindustriais

Compartilhe

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou, na quinta (10), de uma live sobre o tema “Reforma tributária e potenciais repercussões nas cadeias agroindustriais”, promovida pelo Instituto Brasileiro de Direito do Agronegócio (IBDA).

<\/div>

A Confederação foi representada pelo coordenador do Núcleo Econômico, Renato Conchon. Ele analisou as três principais propostas que estão em discussão no Congresso Nacional – a PEC 45/2019, a PEC 110/2019 e o PL nº 3887/2020.

Para Conchon, todas elas impactarão o setor agropecuário. Além do aumento da carga tributária, dos custos de produção maiores e do fim da desoneração da cesta básica, existe a preocupação com o efeito de cumulatividade das tributações propostas.

“Somos favoráveis à reforma e não queremos nenhum tipo de benefício em detrimento de outras cadeias. Apenas defendemos um olhar diferenciado para que a competitividade do agro seja mantida em relação aos principais concorrentes internacionais”, disse.

Na opinião da tax manager na Cargill, Debora Sambrana, nenhuma das propostas vai trazer benefícios para o agro. Ela revela preocupação em pontos como a redução do crédito presumido e defende a desoneração para insumos, por exemplo.

agro

“Ajustes são necessários, mas as atuais propostas não atentam na integralidade essas demandas que são importantes para não onerar ainda mais as cadeias agroindustriais”, afirmou.

O professor do IBDA, Fabio Calcini, considera “equivocada” a visão de uma reforma tributária que aumente a carga tributária e prejudique um setor que já enfrenta desafios climáticos, sazonalidade de produtos e fluxo diferente de oferta e demanda.

“O Brasil tem uma vocação voltada para esse segmento. O sistema tributário não pode olhar o agro como os outros setores. Não é questão de privilégio e, sim, de tratamento diferenciado pelas suas peculiaridades”, declarou ele.

O evento contou, ainda, com a participação de outros especialistas da área: o senior associate na Centrec Consulting Group, Antônio Carlos Ortiz; e o co-fundador da Terra do Leite, José Rezende. O moderador foi o professor do IBDA, Mário Shingaki.

Original de CNA Brasil