Distrito Federal registra alta produtividade agrícola

Compartilhe

De acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do 5º levantamento da safra de grãos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Distrito Federal tem uma produtividade agrícola superior à média nacional em diversas culturas, em alguns casos a produção por hectare chega a ser o dobro de outras regiões. 

Isso ocorreu com o cultivo de grãos em grandes áreas até o de hortaliças e frutas em pequenas propriedades de agricultores familiares. Alguns dos itens que tiveram a produtividade superior à média nacional são soja, milho, feijão, girassol, maracujá, uva, goiaba, limão, batata-doce, pimentão e mandioca como veremos a seguir.

Entre as frutas, o maracujá teve uma produtividade de 27.675 kg/hectare o que corresponde a 94% superior à média brasileira que é de 14.271 kg/hectare. Só no núcleo rural Pipiripau a produtividade vai de 30 a 40 toneladas por hectare. Segundo o gerente do escritório local da Emater-DF, Geraldo Magela Gontijo, “isso se deve ao uso de híbridos de alto potencial produtivo, principalmente os desenvolvidos pela Embrapa, uso de polinização manual, espaçamento mais adensado, com maior número de plantas por hectare e uso de irrigação localizada”.

A soja, que tem grande peso na balança comercial, teve uma produtividade maior no DF do que a média do país, inclusive comparado ao Mato Grosso, maior produtor do Brasil. Devem ser colhidos 3.743,59 quilos por hectare, na safra 2020/2021 sendo a média nacional de 3.487,02 e a do Mato Grosso 3.448,02. 

Já para uva, a produtividade chega a 25 toneladas por hectare, enquanto a média nacional é de 19,9 toneladas por hectare. A Emater-DF tem proporcionado nos últimos anos  mais capacitação  sobre o cultivo de uva na intenção de incentivar a produção desta na região. 

Até culturas que tinham pouca expressão no Distrito Federal como a cana-de-açúcar, a produtividade vai ser maior, pelo que aponta o potencial natural da região para a agricultura. “O que contribui para nossa alta produtividade é o emprego de tecnologia de manejo e clima favorável”, explica o extensionista da Emater-DF Marconi Borges.

A proximidade com os centros de pesquisa e a presença da Emater-DF também favorecem o acesso a informações e capacitações sobre rotação de culturas, época de plantio, cultivares resistentes disponíveis no mercado, tratamento de sementes para prevenir doenças, manejo integrado de pragas, plantio direto na palha, entre outros temas, diz Borges.

Segundo a coordenadora do Programa de Olericultura da Emater-DF, Adriana Nascimento, são essenciais para uma boa produtividade seguir as recomendações técnicas dos extensionistas da Emater indicadas para cada cultura, a interpretação das análises de solos e correção do solo, o uso de mudas e sementes de qualidade, o acompanhamento dos tratos culturais, dos calendários de plantio e sazonalidade.

agrotóxicos
Por: Freepik

“A adaptação climática e nutrição do solo, com adubações ajustadas por análise de solo e correção de acidez bem equilibradas, são importantes para uma boa produtividade”, afirma Adriana.

A presidente da Emater, Denise Fonseca, destaca o papel dos extensionistas da empresa no atendimento aos agricultores, do uso de tecnologia e da disseminação de melhores técnicas de plantio como fatores que contribuem para os resultados alcançados pelo DF. “Como a gente tem uma área de plantio menor que as demais unidades da Federação, temos de tirar mais da terra, de forma mais sustentável e eficiente. É produzir mais com menos.”

No levantamento da safra de 2020/2021 divulgado pela Conab, o Distrito Federal ficou em segundo lugar no país na produtividade de grãos, com 5.280 kg/ha. Para este ano está prevista uma produtividade de 8.049,18 kg/ha de milho no Distrito Federal, em comparação a média nacional que deve ser de 5.524,41 kg/ha. Já o feijão a estimativa é de 2.857,14 kg/ha no DF e 1.105,33 kg/ha na média nacional. 

Ronaldo Triacca, produtor na região do PAD-DF, cultiva soja, milho e uva pra vinho fino. “Atribuo as altas produtividades da nossa região ao alto nível tecnológico empregado pelos produtores, ao nosso clima bem definido, ótima altitude, boa composição físico-química do solo, relevo de plano a levemente ondulado, facilitando a mecanização, ao emprego maciço da técnica conservacionista Plantio Direto, à diversidade de culturas, fazendo com que haja rotação nas áreas”, afirma.

“E, por último, somos privilegiados por termos vários centros nacionais de pesquisa da Embrapa concentrados aqui, várias empresas nacionais e multinacionais de genética vegetal também estão enraizadas na região, juntamente com uma assistência técnica de excelência da Emater”, explica Triacca.

A Emater-DF

A Emater é uma empresa pública que atua na promoção do desenvolvimento rural sustentável e da segurança alimentar, que presta assistência técnica e extensão rural a mais de 18 mil produtores do DF e Entorno. Ela realiza cerca de 150 mil atendimentos por ano, através de ações como oficinas, cursos, visitas técnicas, dias de campo e reuniões técnicas.

Com informações do Diário do Poder para o Dia Rural

Por Mariana Gomes Pacheco de Sá