Embrapa e indústria moageira querem expandir o trigo tropical no Brasil Central

Compartilhe

Representantes do setor produtivo, pesquisa e indústria estiveram reunidos, de forma virtual, no dia 12 de maio, para avaliar possíveis ações que promovam a expansão da área com cultivo de trigo na região do Brasil Central. A Embrapa Trigo apresentou uma série de informações técnicas e proposições para discussão no grupo.

O trigo cultivado no Brasil Central está sendo chamado de trigo tropical, pelas diferenças com relação ao cultivo do trigo na Região Sul, sob clima subtropical. De acordo com a Conab, a área com trigo tropical foi inferior a 300 mil hectares em 2020, somados os cultivos das regiões Centro-oeste (estados de GO, MS e DF), Sudeste (SP e MG) e Nordeste (BA). Contudo, estimativas da Embrapa indicam uma área superior a 4 milhões de hectares (ha) com potencial para o cultivo de trigo no ambiente do Cerrado, sendo 1,5 milhões ha disponíveis para o cultivo irrigado e 2,5 milhões ha para cultivo de sequeiro.

Por: Freepik

Para atender a demanda por tecnologias adaptadas ao cultivo de trigo tropical, em 2012, a Embrapa instalou em Uberaba, MG, o Núcleo Avançado de Trigo Tropical, onde uma equipe de pesquisadores e assistentes desenvolvem ações em melhoramento genético, manejo e transferência de tecnologia para trigo tropical. O trabalho envolve a parceria com produtores, indústria moageira e institutos federais de pesquisa.

Durante a reunião do dia 12/05, foram discutidas ações capazes de promover a expansão da triticultura no Cerrado, com aumento de área e competitividade do trigo tropical. A Embrapa Trigo destacou uma série de ações necessárias para um crescimento ordenado do trigo na região: organização da produção de sementes; instalação de ensaios, unidades demonstrativas e lavouras de referência para levantar informações agronômicas e econômicas na interação com parceiros na identificação de problemas tecnológicos limitantes à expansão; governança da cadeia produtiva, com parcerias no setor público e entidades privadas; intensificação das pesquisas com manejo e resistência genética à brusone; informações para o zoneamento agrícola nas áreas em expansão; intensificação das ações de comunicação e transferência de tecnologia, através de eventos, vitrines, visitas e publicações; apoio ao Núcleo Avançado de Trigo Tropical como base para as ações.

Além da Embrapa, participaram da reunião representantes da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Associação dos Triticultores do Estado de Minas Gerais (Atriemg), Moinho VitóriaCoopa-DF e Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo).

Joseani Antunes (MTb 9693/RS) Embrapa Trigo

Original de Embrapa