Feijão: Estiagem no PR e chuva em MG prejudicam abastecimento

Compartilhe

Reflexo deve ser sentido nas prateleiras dos supermercados nos próximos meses

A influência do clima tem surtido grandes efeitos sobre o Feijão no início de 2022. Minas Gerais e Paraná, dois dos maiores estados produtores – principalmente de Feijão-preto e vermelho – estão sofrendo por causa das intempéries.

<\/div>

Em Minas o excesso de chuva nos primeiros dias do ano atrapalhou a colheita de forma significativa. Um levantamento preliminar feito pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) mostra que cerca de 127 mil produtores rurais do estado sofreram algum tipo de dano por causa das chuvas nas últimas semanas. O estudo aponta que a situação foi relatada em 416 municípios do estado (48,7% do total).

Entre os municípios com estimativa de áreas afetadas, a produção de Feijão 1ª safra foi a mais prejudicada, com 42,2% da área a ser colhida. As regiões Norte, Cerrado, Nordeste, Leste e Central foram as mais atingidas.

Segundo informações de agrônomos da região de Minas, a sequência de dias chuvosos atrapalhou a colheita e, consequentemente a qualidade dos primeiros lotes. Eles afirmam que os prestadores de serviço de secagem e beneficiamento estão comunicando fila de trabalho de até 24 horas. Porém, o Feijão colhido precisa entrar para secagem em no máximo 12 horas.

No Paraná a situação é oposta. A grande estiagem pela qual o estado vem passando retardou o plantio e diminuiu consideravelmente as áreas plantadas. Muitos produtores optaram por plantar a soja, abdicando do Feijão para não perder a programação pré-estabelecida.

As colheitas do Paraná para essa safra já estão praticamente encerradas. Entre os produtores que deixaram de plantar e a quebra pela estiagem, a perda gira entre 25 e 30%.

O diretor de compras da Pé Vermelho Alimentos, Antônio Carlos Gonçalves, afirma que é uma quebra considerável e que o mercado deve reagir por si só. “Essa alta pode estimular o plantio da segunda safra, já que o produtor sempre olha o preço do dia”, afirmou.

Sobre os preços para o consumidor final, Gonçalves relata que as prateleiras dos supermercados ainda devem oferecer preços mais baixos durante o mês de janeiro, já que estão vendendo o produto comprado em dezembro. Contudo, haverá reajuste para os próximos meses, reflexo dessas perdas da 1ª safra.

“Não é simples repassar essa alta. Grandes atacados e varejo não aceitam uma alta tão brusca, então ela deve ser repassada aos poucos. Vamos ter uma reposição na virada do mês, que vai gerar reflexo nas gôndolas”, finaliza Gonçalves.

Retirado de: https://instagram.com/noticiasagricolas?utm_medium=copy_link

Fonte: Ibrafe