Gliricídia reduz custos e eleva a sustentabilidade da Pimenta-Do-Reino

Compartilhe

O último vídeo da série “Cultivo da pimenta-do-reino” ensina como implantar uma área de produção de gliricídia, árvore leguminosa de rápido crescimento, que serve como tutor vivo (suporte para o crescimento) da pimenteira-do-reino. O uso dessa planta reduz a dependência das estacas de madeira, diminui custos de produção, aumenta a longevidade do pimental e reduz o impacto ambiental da atividade.

A gliricídia (Gliricidia sepium L.) é uma árvore leguminosa nativa da América Central, cujo tronco serve de apoio para o crescimento da pimenta-do-reino, por isso é chamada de tutor vivo, ao contrário das estacas de madeira, que são conhecidas como tutor morto.

João Paulo Both, analista da Embrapa Amazônia Oriental, ensina como implantar um jardim clonal de gliricídia que, na prática, é uma área de produção da planta. “Dessa forma, o agricultor vai produzir suas próprias estacas para o cultivo da pimenteira-do-reino”, afirma Both.

Ele explica que em uma área de dez metros quadrados, por exemplo, é possível plantar 100 mudas de gliricídia e obter, a cada ano, 400 novas estacas. “O produtor só precisa adquirir as mudas uma única vez para implantar a área. E a partir disso começa a produzir suas próprias estacas, que podem servir para ampliar seu pimental ou mesmo para comercializar mudas de gliricídia”, explica o analista.

A gliricídia é uma árvore leguminosa de rápido crescimento – Foto: Ronaldo Rosa Fonte: Embrapa

Produção mais sustentável

As vantagens do uso da gliricídia como tutor vivo da pimenteira-do-reino são inúmeras, segundo Oriel Lemos, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental. A primeira é a redução em 28% do custo de implantação do pimental em comparação ao sistema tradicional com o chamado tutor morto (estacas cortadas de madeira), que além de encarecer a produção, tem um grande impacto ambiental.

“O uso de estacas de gliricídia como tutor vivo contorna a dificuldade de obtenção de estacões, diminuindo os impactos ambientais e aumentando a longevidade dos pimentais”, acrescenta o pesquisador. Outra vantagem do uso da gliricídia é a melhoria na condição do solo, já que a árvore aumenta o teor de matéria orgânica, reduz erosão e contribui na fixação de nitrogênio. Assim, o gasto com fertilizantes também é reduzido.

Além disso, as árvores de gliricídia promovem um ambiente melhor para o agricultor trabalhar, com sombra e redução da temperatura. E também contribuem para um pimental mais longevo e produtivo.

Vídeos disponíveis no Youtube

A série de vídeos “Cultivo da pimenta-do-reino” apresentou soluções para as principais dúvidas e desafios do pipericultor da Amazônia. Os conteúdos abordaram a escolha da área e preparo do solo, a produção de mudas sadias, o controle e prevenção de doenças e tecnologias para melhorar a produção e garantir mais sustentabilidade e competividade à pimenta produzida no Pará.

Os vídeos estão disponíveis na playlist “Cultivo da pimenta-do-reino” no canal da Embrapa no Youtube. A série de vídeos contou com a parceria da empresa Tropoc, sedida em Castanhal, estado do Pará.

Original de Embrapa