Mesmo parciais, embargos pela Influenza afetam embarques avícolas na Europa

Compartilhe

Relatório científico da Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA, na sigla em inglês) descreve o período de janeiro a maio de 2021 como “uma das piores e mais devastadoras temporadas enfrentados pela União Europeia em relação à Influenza Aviária de Alta Patogenicidade (HPAI, na sigla em inglês).

O grupo responsável pelo relatório contabilizou a ocorrência, nos 27 países europeus, de 3.555 focos de infecção pela HPAI envolvendo um total de 22,4 milhões de aves. O epicentro da epidemia parece ter ocorrido na Alemanha e na Polônia, com o primeiro país detectando o maior número de infecções em aves silvestres (603 casos) e a Polonia com o maior número de casos em granjas comerciais (297 casos).

No decorrer desses quatro meses foram detectados 16 (dezesseis) diferentes genótipos de HPAI, número que indica o alto nível de recombinação do vírus.

Foto: Lucas Scherer Fonte: Embrapa

Em termos econômicos, o relatório observa que o impacto da epidemia no mercado avícola interno foi limitado – exceto na Polônia, onde, neste ano, a produção de carne de frango deve recuar em torno de 12% em relação a 2020.

Já no mercado externo a União Europeia tende a enfrentar significativa redução das exportações, visto que muitos países – mesmo sem generalizar suas medidas – embargaram os produtos avícolas de regiões diretamente afetadas pelos surtos de Influenza.

Com a chegada, na próxima semana, do verão no Hemisfério Norte, os casos de HPAI tendem a sofrer forte retração. Mesmo assim, os autores do relatório destacam a necessidade de manter controles estritos de biossegurança nas granjas europeias na tentativa de diminuir os efeitos da próxima temporada de HPAI que, normalmente, começa com o Outono europeu.

Original de AviSite