Milho safrinha tem previsão de diminuição de produção em GO

Compartilhe

Relatório também traz dado positivo mostrando que a produção goiana de soja alcançou 16 milhões de toneladas. Com isso o Estado se posiciona, na safra 2021/22, como o segundo maior produtor do grão no país

O  8º levantamento da safra 2021/22 (maio), divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), projeta que Goiás deverá produzir 29,25 milhões de toneladas (todos grãos), um volume recorde, 19% maior que na safra passada. No entanto, se comparado com o levantamento de abril, o volume estimado a ser colhido por Goiás foi reduzido em 1,15 milhões de toneladas, ou 3,8%.

<\/div>

A principal motivação para a redução na estimativa produzida em Goiás foi o corte na produção de milho safrinha (previsão de colheita de 9,39 milhões de toneladas, 11% menor em relação a expectativa abril) e sorgo, de 1,16 milhão de toneladas e 134 mil toneladas, respectivamente. 

O baixo volume de chuvas em abril são os principais motivadores para esta queda. Cortes na expectativa de produção foram feitos também no trigo, de 13%, outra cultura de segunda safra no estado.

“Tivemos também dados positivos, a Conab elevou ainda mais a estimativa de produção de soja. Agora a produção goiana na oleaginosa alcançou 16 milhões de toneladas, correção de 0,7% em relação ao levantamento de abril. A soja é o principal produto de grãos de Goiás, representando 55% de toda produção de cereais, fibras e oleaginosas do estado. Excepcionalmente, Goiás se posiciona, na safra 2021/22, como o segundo maior produtor de soja do país, responsável por 13% de toda soja brasileira”, explica Leonardo Machado, coordenador do Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás-Ifag.

Em relação aos dados nacionais, o Brasil deve colher no ano agrícola 2021/21, 271,8 milhões de toneladas, uma produção 6,4% maior que na safra passada. Diferentemente do que ocorreu em Goiás, os dados nacionais tiveram um avanço na estimativa de produção de milho 2ª safra, agora a safrinha do país está estimada em 89,3 milhões de toneladas, 0,9% maior que a estimativa de abril. A justificativa para este crescimento está no bom desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso do Sul e Paraná, que tiveram sua expectativa de produção elevada em 1,86 milhões de toneladas e 521 mil toneladas, respectivamente.

Original de: Ifag

Fonte: Sitema FAEG