Milho, sorgo e milheto tem cultivares exibidas em vitrines tecnológicas

Compartilhe

A Embrapa Cerrados montou, em parceria com a Embrapa Milho e Sorgo, seis vitrines tecnológicas com cultivares geneticamente superiores de milho, sorgo e milheto desenvolvidas pela empresa e parceiros. Os campos demonstrativos foram formados em Planaltina (DF), sede da Embrapa Cerrados (foto), e no Riacho Fundo II (DF), onde se localiza o Centro de Inovação em Genética Vegetal (CIGV), ligado ao centro de pesquisa. No total, os visitantes podem conhecer no campo 32 cultivares, sendo 16 de milho, 14 de sorgo e duas de milheto.

 “Queremos apresentar a potencialidade agronômica dessas cultivares, algumas já lançadas e outras em fase final de desenvolvimento”, explica Fábio Faleiro, chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Cerrados. A ideia, segundo ele, foi montar um espaço para visitação de técnicos, consultores, extensionistas, produtores e potenciais parceiros na região para produção e comercialização de sementes. 

As vitrines também servirão para avaliar os materiais com relação à resistência a pragas e doenças na região do Cerrado do Planalto Central com vistas aos sistemas de produção na safrinha. “É uma ótima oportunidade para unir os esforços da transferência de tecnologia com a pesquisa no sentido de otimizar os nossos recursos”, afirma Lineu Rodrigues, chefe de Pesquisa & Desenvolvimento da Embrapa Cerrados. 

“Vamos promover cursos de capacitação de agentes multiplicadores com relação à genética Embrapa. O que queremos com as vitrines é aproximar cada vez mais o setor produtivo da pesquisa”, afirmou Faleiro. Ele também explicou que, com as vitrines tecnológicas, busca-se ainda desenvolver o mercado por meio de ações de promoção dessas cultivares, tendo em vista a recomendação delas para o plantio no Cerrado, principalmente para a produção de segunda safra (safrinha). “A Embrapa está a procura de licenciados que não só produzam e comercializem sementes mas, também, ajudem a divulgar a tecnologia para os produtores”, explica. 

 “Nossa ideia é apoiar os centros de produto da empresa, como a Embrapa Milho e Sorgo, no trabalho de pós-melhoramento dos materiais no bioma Cerrado”, explicou Sebastião Pedro, chefe-geral da Embrapa Cerrados. Para ele, é preciso que os materiais desenvolvidos pela instituição de pesquisa tenham cada vez mais visibilidade para que possam gerar demanda no mercado. Esse é considerado um projeto piloto. “Queremos fomentar essa iniciativa de transferência de tecnologia fazendo uma sinergia com outras unidades da Embrapa. Precisamos tornar nossas tecnologias cada vez mais visíveis”, afirmou. 

– Foto: Alexandre Veloso Fonte: Embrapa

“Adorei tanto a ideia quanto a execução desse projeto das vitrines”, afirmou o pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo, Cícero Beserra. Segundo ele, o que o melhoramento precisa é justamente de pontos de demonstração como esses. “Essas vitrines são excelentes para mostramos o nosso trabalho. Dessa forma, dá para ver a nítida diferença de um material para o outro”, afirmou.

O pesquisador destacou também que, no caso das vitrines do sorgo, elas ainda cumprem outro importante papel: divulgar a cultura para os produtores. “O sorgo é um complemento ao milho. É uma alternativa importante para a safrinha, por ser uma cultura mais tolerante a condições de estresse hídrico e demandar investimentos relativamente menores que o de outras culturas. Quando apresentamos o sorgo para o produtor estamos tratando de segurança”, alerta. 

Lauro Guimarães, chefe adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Milho e Sorgo, ressaltou a importância da interação entre unidades de pesquisa tanto para a apresentação dos avanços científicos, em termos de produtos, práticas, processos e serviços, úteis diretamente aos produtores rurais e a sociedade, quanto para a promoção de novas oportunidades de relacionamento com empreendedores do setor privado, por meio do estabelecimento de parcerias que disponibilizarão essas tecnologias em diferentes regiões do país.

Segundo ele, a região de Brasília e do entorno representa um ambiente de alto potencial de produção de grãos, de modo que as culturas de milho, sorgo e milheto estão entre as melhores alternativas para composição de sistemas de produção, juntamente com soja e forrageiras, a depender de manejo e “janelas de plantio” na segunda safra.

“A  instalação das vitrines com cultivares BRS, na região do Planalto Central, permite a demonstração da genética Embrapa para essas três importantes culturas agrícolas, sendo uma oportunidade para divulgação de cultivares adaptadas e para estímulo à produção de sementes localmente, potencializando benefícios produtivos, econômicos e sociais, principalmente no contexto de alta demanda e bons preços de grãos”, afirma. 

Informações sobre os materiais apresentados na vitrine já lançados podem ser obtidas no www.embrapa.br/cultivares 

Original de Embrapa