Nutrição Animal: Pesquisa aponta alternativas para Dieta do Gado

Compartilhe

A escassez global de fornecimento de proteínas está criando incertezas, para produtores e para a indústria de rações, a respeito da procedência do fornecimento dos grãos neste ano. Além disso, há pressão constante nos produtores para atenderem à demanda global de leite e carne enquanto reduzem o impacto ambiental e mantêm suas criações financeiramente viáveis. Atingir o equilíbrio entre esses objetivos conflitantes pode parecer impossível, mas a Alltech acaba de divulgar dados de uma nova pesquisa na área de ruminantes que prova justamente o contrário.

O estudo, realizado pela empresa especializada em nutrição animal, mostrou que a proteína vegetal pode ser substituída por nitrogênio não proteico, permitindo aos produtores de leite e carne melhorarem o desempenho animal, diminuirem a pegada de carbono e aumentarem a rentabilidade. A tecnologia utilizada na pesquisa foi o Optigen, da Alltech. Os novos dados da meta-análise examinam os efeitos da suplementação com solução em vacas leiteiras a partir de 17 estudos realizados em seis países diferentes, enquanto a pesquisa com bovinos de corte foi baseada em 17 estudos conduzidos em nove diferentes países.

“A fonte de proteína responsável pela alimentação animal é uma questão global crucial na cadeia produtiva, e o uso de proteínas vegetais na alimentação pode ter restrições relacionadas à disponibilidade, volatilidade de preço e associação com o impacto ambiental”, afirma o pesquisador que atua em parceria com a Alltech, Dr. Saheed Salami. “Os estudos dessa meta-análise confirmaram que a tecnologia é um substituto viável para fontes de proteína vegetal para rações de ruminantes, resultando em uma maior eficiência alimentar, rentabilidade e sustentabilidade ambiental para a produção de leite e carne”, complementa.

O diretor do grupo de pesquisa em ruminantes da Alltech, Dr. Vaughn Holder, ainda explica que “as fontes de proteína vegetal são voláteis, variam de preço e sua composição nutricional é incrivelmente variável, enquanto esta solução é o oposto e fornece consistência no suprimento de proteína degradável no rúmen, que é crítico para a função ruminal”, destaca. “Essas novas meta-análises em bovinos de corte e leite mostram a profundidade de nossa pesquisa em ambas as áreas, bem como a versatilidade do produto em matérias-primas dietéticas e de geografias globais”, relata.

Fonte: Girodoboi

Confira abaixo alguns resultados do estudo:

Descobertas chave para bovinos de leite:

  • O uso da tecnologia em dietas de vacas leiteiras resultou na economia de 54 gramas de CO2-eq/kg leite.

Levando como base a produção anual de leite do setor de laticínios da Holanda, por exemplo, isso seria o equivalente a uma redução da emissão de 574.004 toneladas de CO2-eq. Essa economia de carbono representa 10% da redução de toda a meta de redução dos setores do agronegócio determinada pelo governo holandês para 2030.

  • A solução poderia substituir parcialmente 21% da soja presente em todas as dietas.
  • Ingestão de matéria seca (IMS), ingestão de proteína e ingestão de nitrogênio diminuem através dessa economia na dieta.
  • Foi observado aumento de rendimento do leite, e melhora na eficiência da ração em 3% com dietas com o uso do produto.
  • A eficiência da utilização de nitrogênio em vacas leiteiras aumentou em 4%, graças à melhora do nitrogênio capturado pelo rúmen. Isso se traduz em uma redução de excreção de nitrogênio de 12 a 13 gramas por vaca por dia.
  • Essa informação sugere, por exemplo, que este uso poderia reduzir a excreção anual de nitrogênio via esterco do setor de laticínios da Alemanha em uma média de 17,028 toneladas de nitrogênio, tomando como base a produção anual de leite.
  • Os benefícios ambientais da tecnologia são em decorrência da substituição da soja e outras fontes de alta concentração de proteína em combinação com a melhoria da eficiência produtiva.

Descobertas chave para a produção de carne:

  • A meta-análise destacou que a substituição parcial da proteína vegetal, com esta solução, resultou em uma melhoria consistente no ganho de peso vivo e na eficiência alimentar dos bovinos.
  • Houve um crescimento médio de 8% no ganho de peso vivo e 8% de melhoria na eficiência alimentar com inclusão de silagem de milho.
  • Uma simulação financeira e produtiva feita com os resultados da meta-análise e custos locais (EUA), indicaram que um confinamento com 1000 animais de corte utilizando Optigen na dieta, com o objetivo de ganhar 440 libras de peso vivo (aproximadamente 200 quilos) iria:
  • Reduzir o tempo de abate em nove dias.
  • Diminuir o custo de alimentação em US$ 18.000.
  • Diminuir a pegada de carbono da unidade de carne em 111,5 toneladas de CO2-eq, contribuindo para uma redução de aproximadamente 2,2% da pegada de carbono da produção de carne.

Fonte: Minuto Rural