Ocorrência dos enfezamentos do milho em campo é controlada pelo Mapa

Compartilhe

Objetivo é diagnosticar a ocorrência dos agentes causadores da doença para subsidiar eventuais medidas que possam reduzir ou evitar prejuízos

Em continuidade à avaliação da ocorrência do complexo dos enfezamentos de milho, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) iniciou em março as providências para a execução das atividades de monitoramento da doença nas áreas com cultivos da cultura durante o ano de 2022. A medida visa diagnosticar a ocorrência dos agentes causadores da doença para subsidiar eventuais medidas que possam reduzir ou evitar os prejuízos para os produtores de milho.

<\/div>

Os enfezamentos são causados por bactérias da classe Mollicutes e são classificados em dois tipos: o enfezamento pálido e o enfezamento vermelho, causados por Spiroplasma kunkelii (espiroplasma) e Maize bushy stunt phytoplasma (fitoplasma), respectivamente. Ambos os patógenos são transmitidos pela cigarrinha do milho Dalbulus maidis.

Neste ano, buscando aprimorar a sistematização dos dados e a elaboração dos mapas de ocorrência da doença, o Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária promoveu ajustes no protocolo de monitoramento, encaminhado às Superintendências Federais de Agricultura e às Agências Estaduais de Defesa Agropecuária dos principais estados produtores de milho do país. 

Entre as orientações, encontra-se a relação das informações que necessariamente devem ser registradas durante os monitoramentos tais como coordenadas geográficas, fase de desenvolvimento da cultura, práticas de manejo utilizadas para controle da cigarrinha e os enfezamentos, níveis de danos, entre outras.

Além disso, assim como no ano anterior, a amostragem será realizada em duas etapas, começando pela coleta do inseto-vetor, caso sejam detectados no momento do monitoramento, e, posteriormente, de folhas de milho, independentemente das plantas apresentarem sintomas.

“Para ampliar a coleta de informações sobre a ocorrência da doença junto aos produtores de milho, a Secretaria de Defesa Agropecuária espera contar também com a participação do segmento produtivo, por meio de algumas das suas entidades representativas, convidadas formalmente a participar das ações no início do mês”, relata a coordenadora-geral de Proteção de Plantas, Graciane de Castro.

Em 2021 o Mapa, em parceria com agências estaduais de defesa agropecuária e instituições de pesquisa envolvidas no tema, realizou levantamentos fitossanitários que permitiram o mapeamento da ocorrência do enfezamento vermelho e do enfezamento pálido nas principais regiões produtoras de milho dos estados Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, além do Distrito Federal.

Os mapas encontram-se disponíveis para consulta no site do Ministério da Agricultura.

Fonte: Gov.BR.