PIB do Agronegócio segue em alta com crescimento no ano de 4,62%

Compartilhe

Pelo quinto mês consecutivo, o PIB do agronegócio cresceu em maio, 0,78%, de acordo com cálculos do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, realizados em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Assim, o setor amplia o avanço no ano (de janeiro a maio) para 4,62%. 

<\/div>

Entre os ramos do agronegócio, o agrícola voltou a subir em maio, 0,75%, acumulando aumento de 2,51% em 2020. O pecuário mantém o ritmo de crescimento mensal, com elevação de 0,9% em maio e de expressivos 9% no ano. 

Segundo pesquisadores do Cepea, ainda como efeito da covid-19, o PIB da agroindústria, segmento mais prejudicado pela pandemia, foi o único a recuar em maio, 0,68%, tornando negativo o resultado do acumulado do ano, em 0,24%.

Assim como observado em abril, a agroindústria foi pressionada em maio pelos setores industriais de base agrícola, já que o desempenho da indústria pecuária seguiu positivo.  

Já o avanço mais intenso entre os segmentos foi observado para o primário, que cresceu 3,08% em maio, acumulando alta de 11,67% no ano. No mês, o PIB do segmento primário agrícola registrou alta de 4,62% e no ano, de expressivos 15,17%.

Pesquisadores do Cepea indicam que, entre os produtos, os destaques em termos de altas de preços foram: milho, café, cacau, arroz, soja e trigo, todos com elevações superiores a 15%.

No caso do segmento primário pecuário, o PIB cresceu 0,54% no mês e 6,20% de janeiro a maio, impulsionado pelos maiores preços, principalmente de boi gordo, suínos e ovos.

Pesquisadores do Cepea indicam que o elevado patamar dos preços pecuários nos primeiros meses de 2020 ainda refletiu um efeito inercial da forte elevação ao longo de 2019 reforçada pela baixa oferta de bovinos para abate e pelo elevado ritmo de exportações de carnes ao longo deste ano. 

O segmento de agrosserviços também cresceu em maio e no ano, apesar da pandemia. De acordo com pesquisadores do Cepea, esse resultado reflete, por um lado, o fato de que não houve paralisação do agronegócio ou problema de distribuição e abastecimento de alimentos para os supermercados e a população brasileira e, por outro, o forte ritmo de exportações do agronegócio no período.

Original de Cepea