Polícia cerca Chácara nas buscas de Lázaro Barbosa

Compartilhe

As equipes chegaram na residência em quatro viaturas, às pressas. Não há confirmação se os policiais receberam alguma denúncia relacionada a Lázaro Barbosa

Na noite desta quarta-feira (23/6), policiais militares da Rotam de Goiás fizeram buscas em uma chácara em Girassol (GO), a 5km da base de onde as forças de segurança estão concentradas, na Escola Municipal Alto da Boa Vista. Não há informações se os PM’s foram averiguar alguma denúncia relacionada a Lázaro Barbosa Sousa, 32 anos, suspeito de assassinar uma família em Ceilândia Norte, balear três pessoas em Cocalzinho de Goiás e manter reféns.

Os policiais estavam em quatro viaturas e chegaram na chácara às pressas. A residência é situada em uma estrada de chão e mata de difícil acesso. No momento em que desceram das viaturas, os policiais pediram para que a equipe de reportagem mantivesse distância de cerca de 300 metros do local, vestiram coletes à prova de balas e entraram na casa.

Não há, no entanto, a confirmação de que os policiais receberam algum tipo de denúncia referente a Lázaro Barbosa ou se trata-se de patrulhamento convencional.

Fonte: Divulgação. Retirado de Jornal de Brasília

As buscas por Lázaro completaram 15 dias nesta quarta-feira. A operação conta com cerca de 270 policiais de diversas forças de segurança, entre elas as polícias Civil e Militar do DF e de Goiás, Corpo de Bombeiros, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal. As equipes atuam com helicópteros, drones e cães farejadores.

Supostos rastros

Na noite desta terça-feira (22/6), os policiais foram informados sobre uma troca de tiros em uma chácara localizada em Girassol. O caseiro informou que um homem tentava arrombar a porta, quando ele atirou. Segundo o caseiro, o criminoso teria revidado os tiros.

Durante a tarde de ontem, peritos da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) recolheram um lençol e um serrote em uma área de mata, atrás de uma residência, na expansão de Águas Lindas de Goiás, a 4km do centro da cidade. Os objetos estão sendo analisados pela perícia e, até o momento, não ficou comprovado que os materiais foram utilizados por Lázaro.

Original de Correio Braziliense