Previsto para o começo da semana Fortes chuvas em algumas regiões do Brasil

Compartilhe

Algumas regiões devem sentir os efeitos do fenômeno conhecido por Vórtice Ciclônico de Níveis Médios, que se alimenta de um corredor de umidade da Amazônia

Segunda-feira, 5

Sul

A chuva se espalha ainda mais pelo interior da Região Sul por causa de uma área de instabilidade a mais ou menos 5 km de altura, conhecida por Vórtice Ciclônico de Níveis Médios, e que se alimenta de um corredor de umidade da Amazônia. O sistema provoca pancadas com trovoadas e até granizo no oeste, noroeste e parte do centro do Rio Grande do Sul, oeste de Santa Catarina e sudoeste do Paraná.

Em áreas mais centrais dos três estados da Região, o tempo segue firme e sem chuva. Já nas áreas costeiras, nada muda em relação aos últimos dias e a umidade do mar ainda favorece eventual chuva fraca. Somente no litoral do Paraná é que o tempo fica mais fechado e com temperaturas mais amenas. Por fim, ventos sopram moderados na costa gaúcha.

Sudeste

O tempo fica fechado, com chuva a qualquer hora do dia no litoral sul paulista por causa de ventos úmidos que vêm do mar, associados a uma região de alta pressão atmosférica no oceano. Em outras áreas do litoral paulista, Grande São Paulo e leste do estado de São Paulo, todo o Rio de Janeiro e Espírito Santo, zona da Mata e leste mineiro, tem predomínio de sol e eventual chuva isolada e fraca, com ventos moderados.

Nas áreas mais centrais do Sudeste, o tempo fica firme, com elevação das temperaturas da tarde e até queda na umidade relativa do ar, além de ventos moderados. A novidade é que volta a chover em forma de pancadas no fim de tarde em cidades mineiras mais próximas a Goiás.

Centro-Oeste

Só não chove em Mato Grosso do Sul, que ainda segue sob influência de uma massa de ar mais seco e que inibe as nuvens mais carregadas. Há aumento da temperatura e sensação de calor no período da tarde, além de umidade relativa do ar mais baixa.

No fim do dia a quantidade de nuvens aumenta em cidades mais próximas ao Paraguai por causa de um corredor de umidade da Amazônia. Em outras áreas da Região, o tempo fica instável e com pancadas de chuva com trovoadas, mas de forma isolada e passageira.

Nordeste

A chuva mais pesada diminui no sul da Bahia, mas uma pista de ventos úmidos do mar contra a costa mantêm muitas nuvens, tempo abafado e chuva fraca em todo o litoral leste do Nordeste. Destaque para os maiores acumulados entre o litoral do Rio Grande do Norte até Alagoas.

No Maranhão, mesmo com a presença da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) a chuva diminui, apesar de não cessar ainda. Por fim, tempo aberto no oeste, centro e norte da Bahia, sul do Piauí, oeste pernambucano e da Paraíba, onde a tarde fica quente e com baixa umidade relativa do ar.

Norte

A presença de um Vórtices Ciclônico de Altos Níveis e a Alta da Bolívia organizam muita chuva sobre o norte do País. Mais uma vezes tem previsão de chuva forte com trovoadas, com destaque para a região de Manaus, Macapá, Belém e, desta vez, em Boa Vista. Por outro lado, as chuvas perdem força e se tornam cada vez mais isoladas sobre o Tocantins.

Por: Freepik

Terça-feira, 6

Sul

O tempo muda e a chuva passa a se espalhar em boa parte do Sul do país em forma de pancadas com trovoadas e eventual granizo, após uma tarde quente. Trata-se da combinação de cavados a médios e altos níveis da troposfera que recebem a umidade da Amazônia.

Nas áreas litorâneas seguem os acumulados mais altos e com ventos moderados, ainda devido a uma pista de ventos úmidos do mar, oriunda de uma região de alta pressão atmosférica no oceano. Destaque para o litoral do Paraná, onde a chuva vem a qualquer hora do dia entre períodos nublados. Somente numa pequena área entre o oeste gaúcho e região da Campanha é que o tempo continua firme.

Sudeste

O tempo também muda no Sudeste e as chuvas voltam a se espalhar nos quatro estados da Região no decorrer do dia. São áreas de instabilidade formadas a mais ou menos 5 km de altura a partir de uma região de alta pressão atmosférica no oceano, que segue fornecendo umidade para a Região.

Atenção para o retorno da chuva forte com trovoadas, ventos moderados a fortes e eventual granizo, além de acumulados expressivos e potencial para transtornos pontuais no norte do estado de São Paulo e no Triângulo Mineiro. Somente numa pequena área do norte de Minas Gerais é que o tempo fica aberto, por causa do ar seco que predomina na Bahia. Por fim, no litoral sul paulista a chuva vem a qualquer hora, com temperaturas mais amenas.

Centro-Oeste 

Atenção para a chuva que volta a se espalhar por todo o Centro-Oeste com um corredor de umidade da Amazônia e que alimenta áreas de instabilidade em médios níveis da troposfera. Dessa maneira, volta a chover, inclusive, sobre o estado de Mato Grosso do Sul. Tem previsão de temporais inclusive em todas as Capitais e no Distrito Federal. A chuva, no entanto, ainda não vem de forma bem distribuída e pode atingir apenas uma ou outra cidade.

Nordeste

As chuvas ficam mais concentradas nas áreas costeiras por causa da umidade que vem do mar, mas perdem cada vez mais força em relação aos dias anteriores. Em grande parte do interior da Região, há tempo firme e somente variação de nuvens por causa de uma massa de ar mais seco.

Isso, além de elevar as temperaturas da tarde, pode aumentar o risco para queimadas e com baixa umidade relativa do ar. Na Bahia, este tempo seco também garante friozinho aumentando nas primeiras horas do dia nas áreas da Chapada Diamantina.

Norte

Atenção para a chuva mais generalizada e com elevados acumulados no Amazonas e na capital Manaus podem ter transtornos como alagamentos, por causa do elevado acumulado previsto. A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) atua no litoral do Pará e organiza muita chuva entre Belém e Macapá. Por outro lado, instabilidades diminuem no sul do Tocantins.

Original Canal Rural