Serão pedidos 20 milhões de Ovos para produzir a Vacina ButanVac

Compartilhe

A cada 1 milhão de doses, a entidade deve comprar 520 mil ovos. A ideia é produzir 18 milhões de doses até meados de junho

O Instituto Butantan demandará milhões de ovos para produzir a ButanVac, nova vacina contra a Covid-19. Na quarta-feira, 28, a entidade recebeu o primeiro lote de 520 mil ovos. A expectativa é de que sejam fabricadas 1 milhão de doses a partir de cada lote e ter no mínimo 18 milhões de doses prontas já em 15 de junho. Com a perspectiva de produzir 40 milhões de doses neste ano, a demanda pode chegar a 20 milhões de ovos.

“O Butantan já solicitou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorização para iniciar os testes da ButanVac em humanos e está em processo de fornecer documentos adicionais. As doses já em produção no Instituto serão armazenadas e fornecidas à população somente após a autorização da Anvisa, o que deve acontecer no segundo semestre”, diz o instituto.

Mas, afinal, como os ovos entram nesta história? 

De acordo com o Butantan, desde o descarregamento dos ovos do caminhão até a saída da matéria-prima pronta para o envase, estão envolvidas cerca de 300 profissionais.

Após o descarregamento e o preparo da solução com o vírus que será colocada em cada ovo, eles passam por um processo de ovoscopia, realizada por meio da aplicação de luz de forma individual, para avaliar a qualidade do embrião.

Os ovos ficam acondicionados em incubadoras na área de transferência da parte não-viral da fábrica para a parte viral. Na sequência, os ovos passam pela inoculação (introdução do vírus inativado). “Este lote de 520 mil ovos demorará em torno de 19 horas para ser inoculado”, conta Douglas Gonçalves de Macedo, gerente de produção do prédio de fabricação da vacina Influenza, onde será fabricada a ButanVac.

Processo de ovoscopia Foto: Instituto Butantan

Os ovos vão novamente para as incubadoras, por um tempo de aproximadamente 72 horas, para que a multiplicação viral possa acontecer. Em seguida, são encaminhados para o resfriamento, onde ocorre a eutanásia do embrião.

Na próxima etapa, colhe-se o líquido alantóico do ovo, onde está concentrado o vírus replicado. Nas etapas de purificação, clarificação e filtração, são retirados componentes como hemácias, proteínas que não são do interesse para a produção e água. Também nesta etapa o vírus é inativado.

“Em aproximadamente 11 dias teremos o monovalente finalizado, que fica armazenado em câmara fria”, ressalta Macedo, responsável pela produção do monovalente da ButanVac.

Conforme a programação da área responsável por planejar todo o cronograma, desde a chegada dos ovos até a disponibilização da vacina para o Ministério da Saúde, ocorre o envio para o prédio de formulação e envase, onde a solução é colocada em frascos, vedada, rotulada e embalada.

Original de Canal Rural