Soja: Consórcio disponibiliza 2 novos genomas do Fungo da ferrugem asiática

Compartilhe

O consórcio internacional de pesquisa ASR Genome Consortium, em que a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) participa, acaba de disponibilizar publicamente dois novos genomas de referência do fungo causador da ferrugem asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi). O primeiro genoma foi sequenciado, montado e disponibilizado à comunidade científica em 2019. Na ocasião, outros 2 genomas obtidos por parceiros foram inclusos no Consórcio. Com o avanço na consolidação de dados sobre os três genomas em conjunto, será possível aprofundar o conhecimento sobre a variabilidade do fungo  e conhecer a organização de seus genes em vários níveis, por exemplo, identificando genes compartilhados e ativos durante o parasitismo, avalia a pesquisadora Francismar C. Marcelino-Guimarães, da Embrapa Soja.F.

“As informações obtidas dos três genomas de referência permitem elevada confiabilidade aos dados, além da possibilidade imediata de estudos comparativos em nível genômico”, explica a pesquisadora. “Os resultados da pesquisa possibilitarão maior compreensão dos alvos de ação no fungo, em nível do seu DNA, por um produto químico, ou mesmo o desenvolvimento de novas soluções que ajam de forma mais assertiva”, explica Francismar.

Representantes do Consórcio Internacional. A pesquisadora Francismar é a primeira à direita. Fonte: Embrapa

Os genomas de referência foram coletados na América do Sul, região produtora de soja atingida pela alta agressividade da ferrugem da soja.  “O acesso a esta variabilidade permitirá ampliar a compreensão da elevada adaptabilidade e evolução deste fungo, auxiliando no entendimento das mutações que foram acontecendo em diferentes safras e o processo de resistência desses fungos aos fungicidas e também aos genes de resistência presentes na soja”, reitera a Francismar

Membros do consórcio internacional

 O consórcio é formado por 12 entidades públicas e privadas, de diversas localidades, e tem como premissa tornar público o acesso ao genoma do fungo causador da ferrugem e permitir seu uso para diferentes abordagens e pesquisas futuras. Além da Embrapa, o consórcio tem como parceiros a Bayer, a fundação 2Blades, o Sainsbury Laboratory, as Universidade Alemãs de Hohenheim e de RWTH Aachen, o Instituto Nacional da Pesquisa Agronômica (INRAE-França) e a Universidade de Lorraine (França), além do Joint Genome Institute (JGI, EUA), da Keygene, da Syngenta e a Universidade Federal de Viçosa (Brasil).

Ferrugem no Brasil

Segundo dados do Consórcio Antiferrugem, os danos provocados pela ferrugem asiática são de US$ 2,8 bilhões por safra, podendo resultar em até 80% de perdas em uma lavoura.

Fonte: Embrapa