Timpanismo em bovinos: Confira o que é e como prevenir

Compartilhe

Comumente, o timpanismo em bovinos é identificado no manejo dos animais. Esse problema ocorre em razão do aumento e concentração de gases, o que gera uma expansão do rúmen e do retículo estomacal. Outras denominações para essa ocorrência são empanzinamento e meteorismo ruminal.

A identificação feita por médicos veterinários e zootecnistas é fundamental para saber as causas e possíveis danos à saúde do gado. Essa tomada de decisão é crucial para evitar inclusive a morte do animal, haja vista que o bovino pode começar a ter problemas para respirar e na circulação do sangue ao não eliminar os gases da fermentação ruminal. 

Ficou interessado no assunto? Continue a leitura a seguir!

Causas e consequências do timpanismo em bovinos

Antes de tudo , há duas categorias de timpanismo em bovinos: primário e secundário.

O primário acontece por uma expansão irregular do rúmen. Nesse caso, o líquido ruminal fica mais gelatinoso e com gases. Essas bolhas de gases criam uma forte união e não são rompidas. Assim, o animal, mesmo com todo o movimento do aparelho digestivo, não consegue expulsá-las.

Outra denominação para a doença é timpanismo espumoso em virtude da sua característica clínica. As causas para isso estão relacionadas à alimentação desequilibrada entre a quantidade de alimentos de alto teor de fibra e reduzido valor energético (volumoso) e baixo teor de fibra e grande valor energético (concentrado). Também é causada por oferecer plantas forrageiras com grande teor de fermentação e grãos finos ao animal.

Já as características do timpanismo secundário são problemas funcionais ou físicos ligados ao ato de arrotar, chamado de eructação. Suas causas estão ligadas  a algum bloqueio do esôfago, mudanças na saliva, entre outras.

Fonte: Freepik

É crucial ter atendimento médico veterinário ao observar os sinais clínicos no bovino, uma vez que o quadro avança de modo muito acelerado. O bovino terá sinais de incômodo, não conseguirá comer e ficará agoniado. Isso se deve ao fato de a pressão intrarruminal aumentar e expandir o flanco esquerdo.

Outras alterações fisiológicas são respiratórias, estiramento dos membros, língua para fora, aumento da saliva, aumento do pescoço e redução da ação do rúmen até parar. Quando não se presta socorro quanto antes, o animal pode morrer em pouco tempo.

Ligação com o manejo nutricional e formas de prevenção

O timpanismo em bovinos tem relação direta com o manejo nutricional. Por isso, é necessário que o animal receba uma alimentação equilibrada entre nutrição volumosa e concentrada. Seguir as recomendações veterinárias sobre o trato é crucial para prevenir esse problema. 

Deve-se tomar cuidado com a pastagem inserida na alimentação do gado. Como apresentamos nas causas, há forrageiras e grãos finos que provocam o desenvolvimento de patologias no sistema digestório. 

Colocar aditivos ionóforos, substâncias de origens naturais geradas a partir da fermentação de microrganismos trará um ganho ao manejo. Isso porque aumenta a produtividade do gado, bem como ajuda na saúde animal.

Faça o Curso de Primeiros Socorros em Bovinos e conheça na prática o que fazer em momentos de emergência, saiba identificar os sinais clínicos que apontam problemas com o animal e como agir com rapidez e cuidado. Entre todos esses assuntos, o timpanismo em bovinos é abordado no curso.

Retirado de: MilkPoint; Sistema Brasileiro do Agronegócio; Revista Veterinária.

Fonte: CPT Cursos Presenciais